Doenças ocupacionais: Conheça as principais

Quem possui uma árdua rotina de trabalho, certamente já se deparou com colegas, amigos e até mesmo chefes que precisaram se ausentar ou que buscaram ajuda para lidar com algum tipo de incômodo, como dores físicas ou alterações emocionais. Quando esses problemas aparecem, e estão ligados ao trabalho que a pessoa exerce, eles são chamados de doenças ocupacionais.

No artigo de hoje, eu vou falar desse mal que vem se tornando cada vez mais comum e pode ainda se tornar pior em tempos de home office e pandemia. Se você quer saber mais sobre doenças ocupacionais, basta continuar sua leitura.

O que são doenças ocupacionais, afinal?

Doenças ocupacionais são aquelas que causam ausência de saúde em qualquer trabalhador devido ao trabalho exercido, independentemente da área de atuação do trabalhador. Uma tendinite em uma secretária e um câncer em um operador de máquinas de Raio-X são exemplos dessas patologias.

As doenças ocupacionais mais comuns

Como é possível imaginar, existem uma série de doenças ocupacionais. Com base em meu conhecimento médico e alguns levantamentos científicos, separei para mostrar para você, aquelas que mais atingem os brasileiros. Vamos lá?

Surdez definitiva ou então temporária

Ruídos e barulhos repetidos de maneira constante podem afetar de maneira profunda a sensibilidade auditiva e em alguns casos podem se tornar irreversíveis.

Normalmente, esse tipo de problema de saúde afeta operadores de máquinas ou profissionais de grandes fábricas e tende a se desenvolver de maneira lenta.

Alterações psicossociais

Insônia, taquicardia, suor excessivo, ansiedade, síndrome do pânico, depressão, dores de estômago que começam a ocorrer sem sentido, geralmente estão ligadas ao trabalho.

Hoje em dia, as metas estipuladas pela maioria das empresas exercem pressões excessivas sobre os funcionários, que acabam manifestando sintomas e desenvolvendo esse tipo de doença ocupacional. Bancários, jornalistas, profissionais do marketing são os mais afetados.

LER/DORT

Aqui temos a campeã entre todas as doenças ocupacionais. A lesão por esforço repetido (LER), também conhecida como distúrbio osteomuscular relacionado ao trabalho muitas vezes é causada por movimentos repetitivos.

Ficar no computador o dia todo, se manter em posturas inadequadas em cadeiras são as principais causas da LER/DORT. Normalmente, essa condição de saúde é confundida com o famoso “mal jeito”, e não recebe a atenção devida, nem por parte de funcionários, tampouco de empregadores.

Câncer de pele, alergias e dermatoses

Pessoas que trabalham em locais abertos, ou que manipulam substâncias químicas como ácidos, graxas, de demais compostos, possuem grandes chances de desenvolver doenças cutâneas, ou seja, na pele.

Entre as principais doenças ocupacionais da pele estão as alergias, inflamações como dermatoses e em casos mais extremos, até mesmo câncer de pele.

Doenças pulmonares

Trabalhadores de minas, carvoarias, garimpos, bombeiros e até mesmo pilotos automotivos estão constantemente expostos a agentes físicos, como poeiras tóxicas, carvão, fibras de algodão e partículas de minérios.

Em um curto espaço de tempo, essa exposição pode gerar alergias pulmonares, que podem evoluir rapidamente para doenças pulmonares, como siderose, bissinose, antracose e em casos mais graves câncer de pulmão.

Combatendo as doenças ocupacionais

Nesse momento você pode me perguntar: Mas Dr. Wadis, como evitar ou combater as doenças ocupacionais?

Prevenir e combater as doenças ocupacionais é algo extremamente simples de ser feito e vou te mostrar como isso é possível.

Doenças relacionadas à audição, à pele e aos pulmões podem ser facilmente evitadas através do uso dos famosos EPIs – Equipamentos de Proteção Individuais, que por lei, devem ser oferecidos pelo empregador.

Nesse caso, os trabalhadores devem fazer uso de protetores auriculares, vestimentas especiais, protetor solar, óculos e máscaras de proteção.

Quando falamos de doenças psicossociais que ocorrem devido à pressão por metas e excesso de horas trabalhadas é importante buscar por harmonia. Banco de horas, horários flexíveis são as principais medidas “físicas” a serem tomadas.

Na questão psicológica, praticar atividades físicas, apostar em atividades de cunho mental como exercícios de respiração, yoga e meditação são importantes. Além disso, ofertar sessões de terapia também trazem impacto positivo à saúde dos colaboradores e consequentemente da empresa.

E por fim, para prevenir os casos de LER/DORT o ideal são pequenas pausas e alongamentos durante o expediente, aliados a suportes físicos que apoiam pulsos e pés, além de cadeiras ergonômicas.

Quando falamos de doenças ocupacionais, a prevenção é sempre o melhor remédio!

Para evitar o surgimento e instalação de qualquer das patologias citadas, converse com seus superiores, peça seus equipamentos de ergonomia e não deixe de cuidar de sua saúde mental.

Agora que você já sabe tudo sobre doenças ocupacionais, te peço um favor. Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais para que mais pessoas possam ter conhecimento do assunto. Essa é uma ótima maneira de espalharmos saúde.

Add your comment or reply. Your email address will not be published. Required fields are marked *